Norma Social – O quê é e para quê serve?

Tempo de leitura: 4 minutos

Olá, aqui é Léa Mougeolle e hoje a ideia é falar um pouco sobre o que é norma social, algo muito importante dentro da Sociologia.

Suponha que você tenha que fazer um trabalho de sociologia ou tem curiosidade em saber mais sobre esta ciência: então este artigo é para você.

Norma Social

1. O que é uma norma?

Uma norma, de maneira general corresponde a um “standart”. Em sociologia, falamos de “norma social”. Uma norma social é um modelo de se comportar relativo a um grupo social numa sociedade. A sociedade concorda com um sistema de valores e normas. Os indivíduos desde a infância (socialização primaria) integram este sistema. Você sabe o que é bom e o que é mal na sociedade. Se você não respeita a norma ou você não se conforma, você vai receber uma sanção. Então, uma norma social é uma regra explícita ou implícita que propõe um comportamento que a sociedade valoriza.

2. Você pode me dar exemplos? Posso!

Por exemplo, quando você está numa aula, existem códigos a serem respeitados. Você tem que escutar o professor, você não pode cantar, falar, fumar ou escutar musica enquanto o professor esta falando. Porém, você pode escutar, escrever o que ele disser, etc.

Quando você esta dirigindo… Você tem que respeitar as velocidades, você tem que respeitar as regras.

Quando é o aniversario do seu amigo, você vai desejar  a ele um feliz aniversário.

Estes exemplos são normas sociais que você sabe desde criança e que você faz sem pensar (no automático).

3. Qual é a diferença entre norma explícita e norma implícita?

Uma norma explícita é escrita nas leis, nos códigos ou nas regras jurídicas (respeitar as velocidades quando você dirige). Uma norma implícita não é escrita, mas os indivíduos conhecem estas normas, na verdade estão presentes nas representações coletivas (Desejar um feliz aniversario, por exemplo).

4. Porque é uma noção importante na sociologia?

onibus idosoPrimeiro, é importante precisar que a noção “norma social” é a concretização do “ valor social”. Um valor social pode ser o respeito, então uma norma social vai ser, por exemplo, o ato de se levantar para deixar o seu lugar quando uma pessoa idosa entra no ônibus.

Estes dois conceitos permitem uma coesão social na sociedade. Se as pessoas compartilham as valores e as normas sociais, estas pessoas vão morar numa mesma sociedade e numa mesma cultura e vão permitir o bom funcionamento do sistema social.

curso de sociologia

 

5. E as normas são as mesmas no mundo?

Com certeza, não.  Sou francesa, e por exemplo, na aula não se pode se referir a um professor com “você”, como ocorre frequentemente no Brasil. A gente usa o “vous” ou, em português: “vós”. Por exemplo, no Japão, quando uma pessoa entra numa casa ou num apartamento, ela tem de deixar os sapatos na entrada do lugar. Está entendendo onde quero chegar?

6. O que dizem os sociólogos sobre este conceito?

Segundo Émile Durkheim, a norma social é um fato social que é exterior aos indivíduos e que se impõe a eles. (Definição do fato social -> Clique Aqui)
Segundo Erving Goffman, a norma social se constrói durante a interação social. Se você é estudante, tem um papel de estudante, então precisa respeitar as normas relativas a este contexto e atuar no papel de estudante, dê uma olhada aqui para entender melhor.

7. E as pessoas que não respeitam as normas ?

As pessoas que não respeitam as normas sociais podem receber sanções com diversos graus de importância. Se você não respeita a velocidade quando você dirige, você tende a pagar uma multa. Se você não cede o seu assento no ônibus a uma pessoa idosa, pode ser que as pessoas presentes no veículo irão olhar com cara feia para você.

Muitos sociólogos falam do carácter instável da norma social. Por exemplo, Émile Durkheim trata do conceito “anomia” que é um estado de falta de coesão social entre os indivíduos, culpa de uma ausência de normas. Depois, tem Howard S. Becker que é o autor do conceito “outsiders”, este corresponde aos indivíduos que não respeitam as normas sociais.

8. Como utilizar isto para o seu trabalho de sociologia ?

curso online de sociologia

Olha, por exemplo, eu estudo as identidades femininas no Brasil. Assim, eu posso me perguntar diversas questões relacionadas a este conceito. Por exemplo: Para as mulheres no Brasil, a norma é ter um trabalho? Se a resposta é sim, a que idade? A norma é ter um namorado, filhos? Quantos filhos é a norma? Se tenho 5 filhos, sou uma “outsider” (Becker). A norma é ajudar a família? O que ocorre se não respeito a norma ? Etc, etc.

Gostou? Deixe um comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Você gostou deste artigo?
Receba as novidades mais quentes sobre Sociologia em seu email! É GRATUITO.

Sobre Léa Mougeolle

Me chamo Léa Mougeolle e sou uma socióloga francesa que adora escrever e estudar sobre o Brasil. Me graduei na universidade de Bordeaux e finalizei meu mestrado em Paris, na universidade La Sorbonne Nouvelle. É um prazer poder compartilhar conhecimento com você!

  • Monique Carvalho Fonseca

    adorei a matéria

    • Léa Mougeolle

      Obrigada Monique 🙂

  • Jefferson Amaral Guerra

    Parabéns pelo tema! Na oportunidade gostaria de deixar minha opinião.

    Citando Émile Durkheim, quando ele disserta sobre a necessidade de ocorrências de “quebra das normas” que resultam em crimes e que isto é necessário que ocorra para a evolução da sociedade mundial.
    Muitas são os e motivos que levam a quebra do contrato social, seja pela omissão do Estado na qualidade de Aparelho Administrativo, como também por fatos individuais de pessoas que não aceitam as regras impostas pela sociedade.
    esta quebra do Contrato Social pode acarretar sanções tanto para um como para outro, nossa Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5, norteia genericamente o papel do individuo e do Estado e seus entes federativos para que a sociedade progrida pacificamente. Depois temos as legislações extravagantes que tratam de maneira individual cada conduta, prevendo sanções aos que atuem contrario ao previsto.
    Em nosso conjunto de Normas não está escrito a palavra “PROIBIDO”, toda via prevê as medidas de estilo para cada transgressão. No meu ponto de vista é o que garante a liberdade do ser humano para fazer sua escolha, garantindo uma evolução do individual e da sociedade de maneira “natural”. Porem como sou um Operador do Direito e profissional da Segurança Pública, garantidor do direito individual e coletivo penso que seria necessário que as sanções para as infrações, tantos as leves quanto as mais agressivas focem tratadas com mais severidade.
    Obrigado pela oportunidade!!!

    Jefferson Amaral Guerra.

    • Léa Mougeolle

      Obrigada pela sua opinião, a página é mais interessante com opiniões diversas, então… Obrigada 🙂

      Concordo com você, é verdade que às vezes a sanção formal feita não permite ao individuo de entender o interesse de respeitar a norma.
      Acho também que para poder respeitar a norma, a socialização primária, a educação das crianças é um elemento muito importante na sociedade para permitir um bom funcionamento.

      Espero novas contribuições suas para os próximos artigos!
      Até logo Jefferson!

      Léa Mougeolle.

  • Maria da Glória Tassinari Yaco

    Parabéns pela temática trazida em um momento extremamente oportuno. Acredito que a questão está em como a sociedade reorganiza sua escala de valores durante o processo de mudança do seu conjunto de normas sociais implícitas, segundo Émile Durkhein a transgressão é necessária para que ocorra o crescimento social, a história demonstra que isto é um fato porém, a prática social para voltar a fazer sentido necessita ser ancorada por um novo conjunto de normas sociais explícitas (leis) que assegurem os avanços desta “transgressão”. Na minha opinião o risco existente neste processo é a banalização ,reflexo de uma demora na resposta da reordenação dos valores e códigos de conduta sociais que acaba por impedir da evolução das práticas sociais necessárias levando ao retrocesso.

    • Léa Mougeolle

      Oi Maria. Obrigada pelo comentário.

      Se eu entendi bem a sua opinião, ao final você concorda com o ponto de vista de Émile Durkheim que é a sociedade que dita os valores e normas que temos que respeitar. Isso?
      Só uma sugestão, Maria, você fala só das normas explicitas, mas é importante não esquecer das normas implícitas. Estas últimas são presentes na vida cotidiana e pode ser que tenha mais influências do que as normas explicitas.

      Espero ver-te por aqui novamente!
      Até logo.

      Léa

      • Maria da Glória Tassinari Yaco

        Oi Léia , Obrigada pela sugestão, sim concordo com Emile Durkhein pois reconheço que a mudança se estrutura numa quebra de paradigmas ou até mesmo de dogmas e como postei anteriormente. Sendo que primeiramente a sociedade procura quebrar as regras implícitas aquelas que lhe são mais diretas (alteram suas posições , comportamentos, etc) de acordo com a força deste movimento ocorrem alterações nas regras explícitas conforme coloquei no primeiro post.
        Abcs

  • Adilson Ramos de Oliveira

    Olá. Importante ressaltar os aspectos culturais que exercem influência nas normas sociais, assim como a extinção da Sociedade e Homem examinado por Émile Durkheim. O homem sedentário do século XIX não mais existe na sociedade contemporânea da mobilidade e registros de “rastros” eletrônicos que monitoram o homem moderno e exercem controles sobre a sua trajetória social.

  • Maria Aparecida

    Olá Léia muito proveitoso o contúdo, é tempo de pensar e refletir essa
    temática, afinal em plena era do livre pensamento e do absoluto
    “dominio” do território do “eu” impostos na maioria das vezes por
    códigos simbolocos da mídia, amparada é claro por grandes sociologos
    como Durkheim e simpatizantes como Berger, a sociedade ocidental não
    mais se apega apenas aos valores familiares ou de um pequeno grupo que
    os cercam. Na realidade, a sociologia como ciência, e, especialmente
    imposta por Durkheim, originou um leque de possibilidades, ou não, aos
    novos impulsos sociais. Durkhiem, dialoga de maneira ao indivíduo
    perceber seu lugar na sociedade, sendo este sancionado ou não, o homem
    pode, mas não deve, nessa perspectiva, o homem é dotado de capacidade
    impar para alçar voos e se “libertar” das correntes coercetivas, porem
    poderá ser repreendido legislativamente ou de forma espotânea, mas em
    tese o homem é um ser “livre”. E nesse aparato de pensamento “libertas” que o homem se estrepa, e não obstante cai na malha da anomia social.

  • Lucio Mauro Silveira

    Ola! Boa tarde. É muito interessante e está de parabéns… A citação de Émile e Becker…

  • JORGE BOTELHO

    Estou iniciando meus estudos na sociologia, por esta razão procuro mais observar que opinar, de qualquer forma de modo mais simples entendo que as normas sociais é o conjunto de regras e leis as quais um grupo social entende ser adequado para manter a ordem enquanto evolui.
    Agradeço o e-mail informando-me do artigo.

  • Edvaldo Semiao

    Sou mais um daqueles que ainda acredita na mudança social, formando cidadão, através da razão social, parabéns!

  • Humberto O. dos Santos

    Estou cursando História, mas tenho um enorme interesse por sociologia e acredito que tudo que agrega valores, sejam elas explícitas ou implícitas estão dentro de um viés de formação de cidadania e isto já é um grande passo…