Max Weber – Teoria da Burocracia e a Teoria da Ação Social

Teoria da Burocracia e a Teoria da Ação Social

Continuamos a falar sobre um dos mais importantes sociólogos de todos os tempos, agora mais especificamente sobre umas das teorias que mais colaboraram para tornar este intelectual mundialmente conhecido, a Teoria da Burocracia e a Teoria da Ação Social. Como já foi relatado em outra oportunidade neste mesmo portal, nunca é demais lembrar que Max Weber é um nome extremamente importante não apenas para a Sociologia, mas para diversos campos do conhecimento. Reconhecido amplamente enquanto sociólogo, este pensador foi capaz de contribuir para as áreas da economia, direito, política e muitas outras, através de seus estudos e reflexões que sempre tiveram uma grande carga de preocupação social.

Suas obras adquiriram importância ao longo do tempo e sua preocupação social e histórica foi essencial para isso. Essas obras continuam sendo traduzidas e reeditadas, o que só confirma a sua importância para os mais diversos campos da ciência. Algumas de suas teorias são conhecidas e estudadas até hoje, e dentre elas podemos destacar o que é conhecido como a Teoria da Burocracia.

 

Teoria da Burocracia

 


Inicialmente vale apontar que a burocracia caracteriza-se por ser a forma de organização humana fortemente arraigada na racionalidade. Através dela, visa-se adequar os meios aos objetivos pretendidos de modo a otimizar processos e trabalhos, priorizando a eficiência e a obtenção plena destes objetivos, e essa espécie de organização data da Antiguidade.

Essa teoria desenvolveu-se especialmente em função dos seguintes aspectos: Primeiramente frente a fragilidade apresentada pela Teoria Clássica e a Teoria das Relações humanas (contraditórias entre si), que impossibilitavam uma abordagem mais abrangente de problemas organizacionais. Alem disso, mostrava-se cada vez mais necessário a existência de um modelo de organização capaz de abranger todas as variáveis envolvidas, e que fosse aplicável a toda espécie de organização humana, especialmente as empresas.

Ao passo que as empresas cresciam em tamanho e em complexidade, pedia-se por um modelo organizacional cada vez mais definido. A organização de pessoal e de tarefas de grandes empresas exigiriam um nível de controle que a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas não eram capazes de oferecer.
A descoberta dos escritos de Sociologia da Burocracia de Weber foram essenciais para a reviravolta nesse momento. Basicamente, segundo essa teoria, um homem pode e é pago para comportar-se de dada maneira e reagir com a exatidão que lhe fora explicada, sem que se permita que suas emoções possam vir a interferir neste seu desempenho. Assim, a Sociologia da Burocracia propunha um modelo de organização que não tardou a ser aplicado amplamente por administradores em suas empresas.

Weber já identificava fatores que favoreciam o desenvolvimento da burocracia moderna, entre eles: inicialmente, o desenvolvimento e fortalecimento de uma economia monetária, onde a moeda substitui a remuneração em espécie, centralização a autoridade da administração burocrática; além disso, o sociólogo enxergava o crescimento – tanto quantitativo como qualitativo – da tarefas administrativas do Estado Moderno como mais um fator que propiciava o desenvolvimento da burocracia; por fim, ele acreditava e defendia na superioridade técnica do tipo burocrático de administração. Assim como é perceptível que esses conhecimentos acerca da burocracia ainda nos influenciam até os dias de hoje, muitos outros saberes de Weber permanecem cada vez mais importantes, principalmente na Sociologia.

 

Teoria da Ação Social

 


Outro de seus conhecidos conceitos é aquilo que ele denomina Ação Social.
Para Weber, a função do sociólogo é justamente compreender o sentido das ações sociais, encontrando os nexos que as determinem, compreendendo-se a priori que ações imitativas, aquelas que não possuem um sentido no agir, não são chamadas ações sociais. Dentre as ações sociais, Weber as resume em quatro fundamentalmente: ação social racional com relação a fins, ação social racional com relação a valores, ação social afetiva e ação social tradicional.

Percebe-se então que o que ele define como ação social, é toda aquela ação orientada ao outro, tendo sua fonte motivadora pautada em costumes, sistemas de valores e etc. Assim, pode-se compreender que esse conceito é extremamente presente em sua obra denominada “A ética protestante e o espírito do capitalismo” onde sua inserção no sistema de valores e pensamentos dos protestantes o levou a questionar e problematizar as relações entres esses comportamentos e ações e o avanço do capitalismo nessa sociedade.

É perceptível o fato de que suas obras derivam de pesquisas densas, onde ele mesmo defende a busca da guarda de certo distanciamento e imparcialidade. É extremamente válido o conhecimento de seus escritos ao passo que são riquíssimos para a compreensão de metodologias de suas pesquisas além de permitir o conhecimento de inúmeros conceitos e teorias ainda muito caros às ciências sociais e aos campos adjacentes como política, direito, economia e até mesmo história. Este foi um breve resumo sobre A Teoria da Burocracia e Ação Social de Max Weber. Caso queira saber mais sobre o sociólogo, não deixe de acessar esta página. Bons estudos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Você gostou deste artigo?
Receba as novidades mais quentes sobre Sociologia em seu email! É GRATUITO.

Comments

  1. By danilo

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>