KARL MARX – A ALIENAÇÃO E A MAIS-VALIA

A Sociologia sob o prisma de Karl Marx

O importantíssimo teórico Karl Marx, se faz presente ainda hoje em estudos das mais variadas áreas, e suas teorias e conceitos continuam sendo revisitados, sendo cruciais para a compreensão de alguns aspectos de nossa sociedade. Suas análises, como se sabe, voltaram-se especialmente para questões sociais e históricas, análises de conjunturas e de lutas inerentes ao capitalismo moderno.

Marx dedicou-se a discussões que ainda hoje são elucidativas para que possamos compreender uma sociedade que, segundo o próprio autor, move-se pela luta de classes, uma vez que ele acredita que seja esse o motor de toda a  historia. O marxismo, assim, tornou-se corrente de pensamento e até os dias de hoje orienta a organização de muitos movimentos sociais. Um dos mais importantes conceitos do marxismo é o da alienação e também o da mais-valia, os quais, ambos serão discutidos neste espaço, começando pelo primeiro.

A Alienação para Karl Marx

alienação do trabalhoAlienação, para Marx, carrega um sentido negativo, diferentemente do que é para Hegel. Trata-se de uma condição onde o trabalho ao invés de ser instrumento para a realização plena do homem e de sua condição de humano torna-se, pelo contrário, um instrumento de escravização, acabando por desumanizá-lo, tendo sua vida e seu próprio valor medidos pelo seu poder de acumular e possuir.

Karl Marx reconhece na era moderna e em suas novas formas de produção grande responsabilidade pela alienação do homem. Quando o trabalho fica cada vez mais especializado e dividido, o trabalhador fica de tal forma afastado daquilo que produz, que é incapaz de reconhecer-se no produto final de seu esforço.

Dessa forma, o que era antes um homem, acaba por tornar-se apenas uma maquina repetidora dos mesmos esforços, e cada vez mais em busca de possuir capital, num sistema onde é muito comum que esse trabalhador não tenha sequer acesso ao produto de seu próprio trabalho. Assim, o que inicia com uma divisão do trabalho, acaba por configurar-se também como uma divisão social. Esse tipo de organização e essa configuração do mundo do trabalho foram essenciais para o desenvolvimento da sociedade capitalista nos moldes como conhecemos hoje.

Marx e a Mais-valia

Outro conceito importantíssimo para se compreender a organização dos modos de produção capitalista e suas formas de apropriação do trabalho é aquilo que Marx denominou como Mais-valia. Esse termo, muito famoso, é utilizado para referir-se à diferença existente entre o valor da mercadoria produzida, a soma do valor de seus meios de produção e o valor do trabalho, que apresenta-se como a base de lucro no sistema capitalista.

Este, no entanto não é um conceito tão simples quanto possa parecer à primeira vista, isso porque o próprio Marx, aos poucos, foi percebendo que muitos destes valores não eram grandezas concretas e absolutas, mas sim passiveis de muita variabilidade indo de uma sociedade para a outra.
Por exemplo, foi possível constatar que os valores do trabalho não eram reduzidos ao valor de sobrevivência, mas que em cada sociedade ele agregava valores de costumes e culturais, dessa forma, na França, por exemplo, esse valor levava em conta que era algo impraticável esperar que os operários contentassem-se em viver sem seu vinho.

Sabe-se no entanto que, invariavelmente, os valores atribuídos ao trabalho e mesmo a todo processo de produção eram absurdamente inferiores ao valor cobrado pelo produto final, gerando dessa forma lucros exorbitantes para o capitalista, o dono dos meios de produção. E assim é até hoje, fazendo com que não seja difícil perceber, mais uma vez, a alienação do trabalho. Os honorários obtidos por um trabalhador de linha de montagem de automóveis pode sim suprir suas necessidades de sobrevivência, no entanto, dificilmente dará a esse operário acesso pleno ao produto final de seu trabalho.

A Mais-valia-absoluta

Alem de todos esses fatores, Marx conseguiu perceber outras formas adotadas pelo capitalistas para ampliarem suas margens de lucro. Uma vez pago o salário de mercado pelo uso da força de trabalho, não raro são os casos em que eles valem-se de estratégia como ampliação da jornada de trabalho, mantendo, no entanto o valor pago numa constante invariável, embora a produção seja aumentada. A isso Marx chamou mais-valia-absoluta.

Existem também os casos em que ampliava-se a produtividade física do trabalho através da mecanização dos modos de produção, ampliando assim os números e os lucros. Através desses moldes foi possível notar-se que o lucro, no sistema capitalista, não eram resíduos, e sim montantes passiveis de serem aumentados através dessas estratégias dos próprios capitalistas, que visavam o aumento da produtividade e conseqüentemente dos lucros, sem aumentar os gastos com a força de trabalho.

Se interessou pela publicação e deseja saber mais sobre quem foi Karl Marx? Não deixe de visitar a página sobre o intelectual neste mesmo site e compreender um pouco mais a respeito das ideias deste grande pensador!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Você gostou deste artigo?
Receba as novidades mais quentes sobre Sociologia em seu email! É GRATUITO.

Comments

  1. By Eduardo Lineva

    Reply

    • By Lucas Sebba

      Reply

  2. By Inêz

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>